1
 

Darktrace Antigena: O futuro da resposta autônoma impulsionada pela IA

Este White Paper explora os desafios críticos enfrentados pelas equipes de segurança e como o Darktrace Antigena aproveita a inteligência artificial (IA) para combater de forma autônoma os ataques avançados, dando às equipes de CISO o tempo necessário para alcançá-los.

Com a expansão das redes e a rápida adoção de novas tecnologias, dos serviços em nuvem à Internet das Coisas, as empresas estão expandindo a superfície de ataque e introduzindo novos pontos de entrada pelos quais os invasores podem se posicionar. . Isso, combinado com a disponibilidade de kits de exploração na Dark Web, levou a um ‘círculo SOC vicioso’, onde os socorristas estão tão ocupados combatendo incêndios que raramente têm tempo de implementar os patches críticos que impedem o problema de a fonte

À medida que as equipes de segurança se esforçam para acompanhar o crescente volume de ataques de rotina, uma nova geração de ameaças cibernéticas surgiu, caracterizada em grande parte por ameaças que se movem rapidamente e que causam impacto muito antes dos humanos. tenho tempo para responder. Essas ameaças vão desde campanhas de ransomware indiscriminadas que se movem na velocidade da máquina, até o roubo de informações privilegiadas e malwares polimórficos que podem se esconder na rede e escapar dos controles tradicionais.

O white paper intitulado “Darktrace Antigena: O Futuro da Resposta Autônoma Controlada por IA” explora os desafios críticos que as equipes de segurança enfrentam em uma nova era de ameaças cibernéticas e como uma solução de auto-aprendizagem de defesa cibernética aproveita a inteligência artificial para combater contra ataques avançados, dando aos humanos tempo crítico para recuperar o atraso.

 

Adolfo Manaure

Entusiasta seguidor de la tecnología y las innovaciones que cambian el mundo. Director Editorial y COO en The HAP Group.
PC WORLD PUBLICIDAD